Archive for April, 2008

:D

ele já apareceu, e já deu pra matar algumas saudades!

Advertisements

pode ser utópico…

mas continuo a acreditar.

Tenho dado por mim a parar e pensar em ti, e nas palavras que um dia me disseste.

Disseste que tinha a luzinha e o olhar de quem acreditava que era possivel. que era possível…mudar o mundo, e por isso te aproximaste.

Ainda acredito nisso, agora com a consciência plena de que acredito. Tão plena…que ás vezes até penso que sou tonta em ainda acreditar…

Mas vou conseguir (nem que seja um bocadinho..pequenino).

Por falar em ti…onde andas?

quinze a zero

um evento a não perder

É com saudades de relembro alguns momentos passados ao som de algumas músicas dos “Cartola”. Já não os ouço, ao vivo e a cores, há alguns anos, e estou curiosa para conhecer as novidades.

Vou ter oportunidade disso, já amanhã, dia 16 de Abril, através do Second Life. 🙂

Agradeço o convite aos settlers, e toda a organização 🙂

O encontro será pelas 21.30 (GMT), no Second Caffe.

Mais pormenores…

“Nos dias 16 e 17 de Abril, pelas 21h30min, a Magna Tuna Cartola, da Universidade de Aveiro, vai presentear os habitantes dos quatro cantos do mundo com dois grandiosos espectáculos (um em cada dia, sendo o segundo repetição do primeiro). O motivo? Os seguidores mais atentos desta tuna sabem que a Cartola não precisa de motivos. No entanto, desta vez, há um motivo bem apurado: 15 anos de música enformada em projectos e espectáculos arrojadamente inovadores.

cartaz-cartola-15anos.png

Para assistir ao concerto comemorativo do XV aniversário da Magna Tuna Cartola, os seus admiradores 2.0, ou outros, podem dirigir-se ao local da actuação – Auditório da Reitoria da Universidade de Aveiro – sem precisarem de sair de casa! Basta ligarem o Second Life, voar até ao SecondCaffe, na Ilha da UA, e arranjar um espaço confortável, de preferência na primeira fila. ;)

slife.jpg

Este espectáculo, intitulado “Quinze a Zero”, promete muito mais do que uma viagem pelos 15 anos desta tuna. A única forma de desvendar o que têm eles guardado debaixo da cartola é marcando presença… em pessoa ou em avatar!” 

tenho tanta coisa importante para fazer

e não me apetece.

entre abre doc fecha doc, muda de pasta e pesquisa no google…descobri que já estou há cerca de 2 horas a olhar para o monitor sem fazer nada de verdadeiramente útil.

Como é possível?

Já nao bastavam as dores de cabeça e de garganta, para condizer com as chatices do dia…ainda tinha de vir esta falta de concentração…

Há dias assim, eu sei, mas hoje estou particularmente irritada. Chateada…com o mundo, comigo. Sim, eu sei que isto passa.

Mas porque é que as coisas têm de ser assim?

(a culpa deve ser deles, andaram a mexer na minha lua)

http://www.vladstudio.com/wallpaper/?618

(pronto..apeteceu-me falar cmg mesma… já me estava a desabituar..e faz-me falta. equilibra!)

já dizia o outro…

só tem desilusões quem cria ilusões…

sim, está ai mais uma quinta feira

e adivinhem onde vou estar a partir das 22 horas?!

Certo..à frente do meu computador, em mais um encontro cef^SL, in-world.

😀

Não percam a oportunidade de aparecer, desta vez, na ilha 100limites 😀

Até logo.

pensando bem

dizias que te definia enquanto professor… e talvez seja isso mesmo.

Talvez seja essa esperança que não morre que nos mantém aqui, a cada dia, ainda com um sorriso para dar.

“Se não fosse esta certeza
que nem sei de onde me vem,
não comia, nem bebia,
nem falava com ninguém.
Acocorava-me a um canto,
no mais escuro que houvesse,
punha os joelhos á boca
e viesse o que viesse.
Não fossem os olhos grandes
do ingénuo adolescente,
a chuva das penas brancas
a cair impertinente,
aquele incógnito rosto,
pintado em tons de aguarela,
que sonha no frio encosto
da vidraça da janela,
não fosse a imensa piedade
dos homens que não cresceram,
que ouviram, viram, ouviram,
viram, e não perceberam,
essas máscaras selectas,
antologia do espanto,
flores sem caule, flutuando
no pranto do desencanto,
se não fosse a fome e a sede
dessa humanidade exangue,
roía as unhas e os dedos
até os fazer em sangue.”

Dez réis de esperança, António Gedeão

 


parte do meu mundo

del.icio.us